Novo fator previdenciário reduz ainda mais as aposentadorias


Por Silvia Barbara*
» Tabela completa do Fator Previdenciário 2011

O IBGE divulgou a tábua de mortalidade e expectativa de vida de 2009, que será utilizada para o cálculo do fator previdenciário entre 1/12/2010 até 30/11/2011.

As projeções do IBGE acusam uma elevação da expectativa de vida, em relação a 2008, que varia de 1 a quase 4 meses, de acordo com a faixa etária.

Como consequência, as aposentadorias por tempo de contribuição e invalidez requeridas a partir de dezembro de 2010 estão, em média, 0,5% menores em relação às concedidas até novembro/2010.

A variação de um ano para outro tem sido praticamente a mesma, à exceção do período 2003-2004, quando o achatamento médio dos benefícios foi de 10%. Essa queda maior deveu-se à mudança da metodologia usada pelo IBGE para calcular a expectativa de vida de 2002.

É possível que no próximo ano a expectativa de vida aumente de forma mais acentuada, pois o IBGE deverá usar dados atualizados pelo Censo 2010. Nesse caso, o impacto sobre o valor dos benefícios deverá ser ainda maior.

Passados 11 anos de sua implantação, o fator previdenciário acumula uma redução no valor inicial das aposentadorias de 33% (homens), 44% (mulheres e professores de educação básica) e 52,2% (professoras). Esses valores consideram pessoas que começaram a contribuir aos 18 anos de idade e se aposentaram com tempo de serviço de 35, 30 e 25 anos, respectivamente.

Aposentadoria proporcional

Na prática, o fator previdenciário reinventou a aposentadoria proporcional e elevou, de maneira brutal, o tempo de contribuição necessário para receber o benefício integralmente.

Até a Emenda Constitucional 20, de dezembro de 1998, era facultado ao trabalhador aposentar-se com menor tempo de serviço, com vencimentos proporcionais. Essa modalidade acabou em 1998, salvo para quem, nessa época, já contribuía para o INSS.

A "nova" aposentadoria proporcional reduz apenas o valor do benefício para todos aqueles que optarem por se aposentar pelo tempo exigido na Constituição Federal.

Quem quiser ter o benefício integral, precisa trabalhar muito mais. Esse tempo adicional depende principalmente de duas variáveis: sexo do trabalhador e idade em que começou a trabalhar. Veja alguns exemplos:

Impacto do fator previdenciário 2010/2011 sobre as aposentadorias por tempo de contribuição

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(1) Percentual do salário de benefício (média de contribuições feitas ao INSS a partir de jul/94)

A tabela evidencia as grandes distorções produzidas pelo fator, mas não revela um outra característica muito mais grave: o fator previdenciário muda a cada ano, condicionando o valor do benefício à projeção de expectativa de vida do IBGE.

Com isso, não só as aposentadorias ficam cada vez menores, como o tempo adicional para obter a aposentadoria integral é ampliado sistematicamente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Obs: os gráficos consideram trabalhadores que começaram a contribuir para o INSS aos 18 anos de idade

Quando o fator foi introduzido, em 1999, um homem que tivesse começado a trabalhar aos 18 anos de idade precisaria contribuir por 39 anos para aposentar-se integralmente. Hoje, são necessários 42 anos e essa exigência aumentará ainda mais daqui pra frente. Quem se arrisca a esperar? Ninguém que tenha bom senso. O anuário da Previdência comprova.

A falta de previsibilidade e o rigor no tratamento dado aos trabalhadores confirmam que o fator previdenciário nunca teve a pretensão de convencer ninguém a adiar a sua aposentadoria. Seu único objetivo foi reduzir o valor dos benefícios.

Mantidas as regras como estão, restará aos trabalhadores duas possibilidades. A primeira, é aposentar-se por idade, já que nessa modalidade o fator pode deixar de ser aplicado (só será usado quando superior a 1). Entretanto, esperar só é vantajoso para quem começou a contribuir tardiamente, por volta dos 30 anos ou quem já estiver muito próximo dos 60 anos (mulheres) ou 65 anos (homens).

Uma segunda opção, que tende a se tornar mais frequente, é aposentar-se por tempo de serviço, continuar trabalhando e, anos mais tarde, tentar na Justiça a desaposentação.

Definitivamente, está na hora de buscar uma nova alternativa. Se não for possível terminar com o fator, que ele seja pelo menos flexibilizado, com a fixação de um limite para a sua adoção e um interstício maior no emprego das tabelas de expectativa de vida do IBGE.

*Silvia Barbara é professora e diretora do SINPRO-SP e da FEPESP

 



Outros Relacionados:

Clube do Professor - Inscreva-se
Foram sorteadas as vagas à Colônia da Praia Grande
Irregularidades em planos de carreira mobilizam professores
PLR deve ser paga até 15 de outubro
MEC quer aluno mais tempo na sala de aula
MEC vai distribuir tablets para alunos de escolas públicas em 2012
Copyright © Sinprosasco - 2010 - 2014 - Todos os direitos reservados.
Sede: Av. Deputado Emílio Carlos, 937 - Vila Campesina - Osasco / SP
Subsede: Av. Prof. José Barreto, 111 sala 26 2º andar - Centro - Cotia / SP
(11) 3682-7205 / (11) 3682-4088
Validado em  XHTML  e  CSS